Telefone (51) 3029.0100 contato@amodeoebeck.com.br

O presidente da Federação das Indústrias do Estado (Fiergs), Heitor José Müller, afirmou que “2016 foi um ano difícil” e “que em 2017 vamos respirar por aparelhos ainda”. Müller culpou erros do setor público pelo momento por que passa a atividade econômica no País e garantiu que as empresas privadas não são responsáveis. A economia brasileira avançará 0,5%, e a gaúcha 0,4%, considerando a projeção mediana para o Produto Interno Bruto (PIB), divulgada nesta terça-feira (6) na sede da entidade em Porto Alegre.

Para a Fiergs, a economia brasileira vai recuar 3,5% este ano, e a gaúcha, 3,2%. “Esta é a crise mais profunda da nossa história: em dois anos, o PIB encolheu 7,1% e o número de desempregados chegou a 12 milhões”, aponta o diagnóstico de 2016. “Teremos a menor taxa de crescimento no mundo.”

Para 2017, a Fiergs projeta que o produto “se estabilizará nos primeiros dois trimestres”, com crescimento de 0,5% no ano (no cenário mediano, que a Fiergs chama de base). Já o Rio Grande do Sul avança em ritmo um pouco mais lento que o País, com alta de 0,4%. No cenário inferior (mais pessimista), a atividade do Brasil cai 2%, e no superior (mais otimista), a evolução é projetada em 1,7%. No Estado, a visão mais pessimista aponta queda de 1,8%, e na mais otimista, alta de 1,5%.

Ao comparar um século de indicadores e os períodos com maior recuos, a Fiergs mostra que 2015 e 2016 é mais intensa que as demais, como a de 1930-1931 (pós-crash da bolsa de Nova Iorque), que caiu 5,3%.

Na atividade, uma das variáveis que é colocada é a demanda que deve ser gerada devido a estoques baixos das empresas. “Mas depende da crise política, da aprovação das reformas”, pontuou Müller.
Prognóstico da Fiergs para 2017

PIB do Brasil
Cenário base: total (0,5%), agropecuária (2,9%), indústria (0,6%) e serviços (-0,4%)
Cenário inferior: total (-2%), agropecuária (0,5%), indústria (-3%) e serviços (-1,9%)
Cenário superior: total (1,7%), agropecuária (3,9%), indústria (2%) e serviços (1,6%)
PIB do Rio Grande do Sul
Cenário base: total (0,4%), agropecuária (2,7%), indústria (0,7%) e serviços (-0,6%)
Cenário inferior: total (-1,8%), agropecuária (-1,2%), indústria (-2,3%) e serviços (-1,8%)
Cenário superior: total (1,5%), agropecuária (4,4%), indústria (1,3%) e serviços (1,3%)

Fonte: Jornal do Comércio