Telefone (51) 3029.0100 contato@amodeoebeck.com.br

No dia 23 de agosto, durante cerimônia no Palácio do Planalto, o governo federal e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) lançaram um programa para facilitar acesso ao crédito de micro, pequenas e médias empresas. Com o BNDES Giro, o governo projeta disponibilizar cerca de R$ 20 bilhões em novos financiamentos até agosto de 2018. As empresas já poderão solicitar os empréstimos a partir da próxima semana. “São mais R$ 20 bilhões que vão ser canalizados para essa retomada. Parece pouco, mas é chuva depois de muita seca. Precisamos irrigar essa terra seca e dura do capital de giro da empresa brasileira”, disse o presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro.

Presente na cerimônia, Temer discursou que a inciativa do BNDES tem como objetivo ajudar no combate ao desemprego.
“Neste momento o BNDES Giro dá uma injeção de vitalidade nestas micro, pequenas e médias empresas, que são presença de dinâmica e de peso no comércio, na indústria, nos serviços. Estamos falando das campeãs do emprego e desenvolvimento do nosso país”, completou.

De acordo com o BNDES, o novo programa vai agilizar, via internet, a análise de pedidos dos empresários e a concessão de financiamento de capital de giro para micro, pequenas e médias empresas. Essa liberação de recursos deve ficar mais rápida em razão da integração de plataformas de tecnologia de agentes financeiros com o BNDES.

Segundo o ministro Dyogo Oliveira (Planejamento), também presente ao evento, a atual linha de financiamento para pequenas empresas exige de 50 a 60 dias para que o dinheiro seja liberado. A nova linha lançada nesta quarta vai encurtar o prazo. “Em 24 horas o dinheiro vai estar disponível na conta da empresa”, garantiu. Dyogo explicou que a nova linha de crédito terá uma taxa na média de 1,5% ao mês. O ministro ainda afirmou que a linha de R$ 20 bilhões não “terá nenhum subsídio adicional do tesouro”.

Durante a cerimônia, o presidente do BNDES, afirmou que a meta é ampliar a participação das pequenas empresas na carteira do banco ao longo do governo Temer. “O banco já atingiu para as micro, pequenas e médias empresas 40% do quantitativo total”, disse. “Quem sabe ainda possa ser anunciado na sua gestão, daqui a 12 meses, que nós tenhamos nos aproximado de 60% da carteira dedicada as micro, pequenas e médias empresas”, completou Rabello ao se dirigir a Temer.